Seja no Linkedin ou no Youtube, em um post motivacional ou em uma live de um coach de carreiras… você certamente já ouviu a frase “trabalhe enquanto eles descansam”, não é mesmo?

O jargão “motivacional”, trabalhe enquanto eles descansam, supõe que para alcançar seus objetivos pessoais e profissionais e – mais do que tudo –, estar à frente de qualquer pessoa, você precisa, necessariamente, usar do seu tempo de descanso para produzir de alguma forma.

Felizmente, na mesma velocidade que a ideia subiu, ela vem sendo desprezada. A crítica ao “trabalhe enquanto eles descansam” vem de influencers, gestores e até mesmo de lideranças, que já perceberam que em um mundo mais efêmero e multiestimulado, o descanso mental é fundamental e urgente para ter uma boa qualidade de vida.

Livia Ciacci, neurocientista do SUPERA – Ginástica para o Cérebro, chama a atenção para o fato de que, além de subestimar a importância do descanso, esse discurso aumenta o ritmo de cobrança em todos os níveis e idades.

“Primeiramente acontece a tensão física e o cansaço mental motivado pela rotina repetitiva e a pressão dos prazos. A pessoa se mantém em um ritmo de cobrança constante e vai se tornando cada vez mais sensível aos estímulos, levando, por exemplo, a irritações em circunstâncias em que normalmente não se irritaria”, alertou.

Você precisa levar o seu descanso a sério

Todos os dias o cérebro é colocado frente a diferentes desafios para resolver questões em casa, no trabalho ou nos estudos.

E, cada vez mais, a rotina tem exigido múltiplas habilidades e tarefas a serem desempenhadas, o que faz com que o cérebro precise se esforçar – e muito – para “dar conta” de tudo.

Quando o descanso não acontece e o esforço acontece constantemente – seja porque você é adepto do jargão “Trabalhe enquanto eles descansam”, ou qualquer outro, o cérebro passa a entender tudo como ameaça. “Isso leva a um aumento do estado de alerta, o cérebro manda o corpo liberar hormônios, como a adrenalina por exemplo, que faz com que os músculos se contraiam”, alertou.

Músculos contraídos comprimem nervos, levando ao surgimento de dores no corpo.

Os pensamentos acelerados começam a alterar a qualidade do sono porque, nessas condições, o cérebro não consegue passar pelas fases normais do sono, não conseguindo, de fato, descansar.

Daí começam a aparecer as mudanças comportamentais, como perda de interesse em coisas que davam prazer e outros sintomas de ansiedade.

Trabalhe enquanto eles descansam? Será mesmo?

Se você chegou até aqui, já percebeu que ‘Trabalhe enquanto eles descansam” não é exatamente uma questão de motivação, mas sim fisiológica. Descansar seu corpo e mente vai, na verdade, colaborar com o seu desenvolvimento já a curto prazo.

Confira cinco motivos para descansar mais e melhor a partir de agora:

Ainda não se convenceu de que precisa de pausas? Antes de abraçar o “Trabalhe enquanto eles descansam”, a neurocientista do SUPERA, Livia Ciacci, listou 5 benefícios para o cérebro descansado, veja:

  • Descanse e melhores decisões.

Vários experimentos demonstraram que a fadiga faz com que nossas decisões sejam ruins e isso é levado muito a sério em algumas profissões, como os pilotos de avião.

  • Descanse e memorize com mais facilidade.

As emoções e o estado de ânimo influenciam diretamente na capacidade de memorização de episódios e informações, quanto mais cansado, menos memória.

  • Descanse e seja mais criativo.

Criatividade é uma ação que depende de processamentos em segundo plano, fora da consciência, e eles acontecem principalmente nos momentos de descanso.

  • Descanse e previna a Doença de Alzheimer.

Manter um ritmo saudável de descanso e sono facilita os processos de limpeza dos restos metabólicos que ficam no tecido cerebral após atividade mental intensa, e isso previne desordens como o Alzheimer.

  • Descanse e tenha mais amigos.

Um cérebro descansado é mais bem-humorado e será capaz de socializar melhor, uma vez que terá mais chances de ver a vida com empolgação!

Comentários