Este é um dos primeiros casos de contato pacífico pesquisados. Neste tipo de contato, ao contrário da abdução, a pessoa é convidada a entrar na nave e há um relacionamento pacífico. O caso aconteceu na região de Joinville em 2010, mas para preservar a testemunha, ocultamos informações de contato ou localização a pedido da mesma.

Era uma noite como qualquer outra e Lucas foi dormir por volta das 23h. Ao acordar no meio da noite, percebe que havia um ser alto, usando um tipo de uniforme, em pé ao lado da sua cama. Assustado, Lucas tenta se movimentar e não consegue.

Lucas relata que percebeu que seu corpo estava imóvel e sentiu que começou a levitar sobre sua cama e foi introduzido em um tipo de túnel por um período de 1 a 2 minutos. E ao sair deste túnel, estava em pé sobre uma clareira. Assustado, Lucas começa a olhar para os lados para tentar entender o que estava ocorrendo e onde estava.

Segundo seu relado, “…haviam árvores altas em volta da clareira e esta deveria estar em uma floresta densa. Olhei para cima e o céu estava cheio de estrelas, sem nenhuma nuvem. Olhei para os meus pés e percebi a terra preta e úmida. Mas ao olhar em frente, havia um objeto de formato oval apoiado no que acreditei ser um tipo de trem de pouso com três pés de apoio. O objeto estava com a porta aberta, um tipo de escada que ia até o solo e dois seres altos que lembravam seres humanos vindo em sua direção.

Quando percebeu, os dois seres estavam ao seu lado e se comunicavam com por telepatia, diziam para não ter medo, que era convidado para visitar a nave. E depois disso, os seres seguraram em seu braço e o levaram em direção à nave e o pavor tomou conta de seu corpo.

Ao subir a escada, na porta do ovni, foi recebido por um ser alto, com a pele de cor marrom, não possuía cabelos e tinha olhos escuros e grandes, boca fina e braços mais longos que os nossos, usava uma roupa que lembrada uma túnica franciscana.

Lucas disse que neste momento entrou em pânico e pensou que ia desmaiar, que acreditava que aquilo era um pesadelo e pedia a Deus para acordar. E continua seu relato:

“O ser que me recebeu na porta colocou sua mão em meu peito e se comunicou comigo por telepatia, dizia que eu era um convidado na nave, que não precisava ter medo, não iria acontecer nenhum mal comigo e me convidou a entrar dentro da nave. Quando o ser tocou em meu peito, era como se todo o pavor tivesse ido embora e senti que estava bem. Quando percebi estava dentro da nave, estava seguindo por um corredor, não haviam lâmpadas, as luzes eram projetadas da própria parede, as portas não tinham maçaneta ou fechadura, eram lisas e se abriam sozinhas igual as portas eletrônicas que tem na entrada dos shoppings.

Entrei em uma sala onde havia um tipo de maca e alguns equipamentos onde percebi que era um tipo de enfermaria. Saiu de uma das portas, um ser que não era humano, tinha pele cinza, cabeça e olhos grandes. O ser olhou para mim e por telepatia disse para não ter medo, que precisava verificar sua saúde antes de seguir a visita pela nave.

O ser colocou um tipo de caixa com um visor no meu braço por 1 minuto aproximadamente e logo depois o aparelho informou vários dados sobre minha saúde. Depois fui levado a outra sala e passei por um arco que disparou uma luz azul em meu corpo. O ser informou que a luz tinha a finalidade de limpar seu corpo e suas roupas.

Logo após, o ser que mr encontrou na entrada da nave reaparece na sala e comenta que continuará com sua visita pela nave. Eu pensava nas perguntas que queria fazer e o ser como se estivesse lendo minha mente, respondia as perguntas. O ser disse se chamar Roth e aquela era uma nave de pesquisa e observação e vinham de um planeta da constelação de Órion e que alguns seres da sua espécie estavam vivendo entre nós há muito tempo.

Lucas visitou algumas salas com equipamentos que lembravam computadores e depois entrou em uma sala grande onde haviam muitos seres, alguns lembravam os seres tipo Greys e outros seres que eram parecidos conosco, tinham uma pele branca e os olhos eram levemente amendoados. Eles também se comunicavam por telepatia e alguns deles tiveram grande interesse em chegar perto dele.

O ser que o acompanhava disse a ele que estes seres não eram humanos, mas muito parecidos conosco e muitos deles conseguiam se misturar a nós sem serem percebidos. Lucas comentou que estava deslumbrado com tudo aquilo e que queria ficar mais tempo, tinhas muitas dúvidas, mas o ser que o acompanhava disse: “…que havia chegado ao fim sua visita e como outros encontros que já tiveram, novos poderiam acontecer no futuro…”

Ele foi levado até a porta da nave e posteriormente os dois seres que o encontraram na clareira, o levaram ao centro da clareira e então sentiu seu corpo levitar, a visão ficou escura, mas voltou quando estava saindo do tal túnel e sentiu que seu corpo estava sendo colocado em sua cama.

Lucas sentou na cama e percebeu que estava calçando seu tênis e que o solado estava com terra preta e úmida. Ele morava no segundo andar de um apartamento e não tinha como ter andado na terra. Ele disse que olhou no relógio e eram 4 horas da madrugada. Lucas relata não lembrar de novos contatos desta natureza.

Comentários