Central Única das Favelas e a Alô Social Celular fazem a diferença na vida de quem mais precisa

O Brasil é o sétimo país mais desigual do mundo. Os dados confirmam: mais de 27% da renda está nas mãos de apenas 1% da população. E essa triste realidade tende a piorar devido a pandemia do coronavírus.

Algumas iniciativas simples podem fazer a diferença na vida de quem mais precisa. Uma delas é o projeto #maestaon, da Central Única das Favelas, a Cufa. E aqui em Itajaí, 1.500 mães serão beneficiadas nessa, que é a segunda etapa do projeto #maesdafavela.

Como funciona?

A Cufa está fazendo uma doação de 500 mil chips do Alô Social para as “Mães da Favela” e as pessoas e famílias em estado de vulnerabilidade atingidas pela pandemia. Os chips vão ajudar, inclusive, nos estudos das crianças e jovens.

Cada chip que será doado dará direito aos seguintes benefícios durante seis meses:

– 24h por dia de WhatsApp gratuito;

– 24h por dia de ligações para todo o Brasil e para qualquer operadora;

– 1 GB de Internet livre;

– 24h de Internet controlada (ou seja, acesso a conteúdos de educação, negócios e cultura, essa curadoria será feita pela Unesco);

Ronaldo Jesus dos Santos, coordenador da Cufa de Itajaí, ao lado de mães beneficiadas  

Comentários