Agroglifos ou círculos nas plantações, como são mais conhecidos, consistem em figuras geométricas criadas pelo amassamento das plantas e sua origem ainda é desconhecida. Eles possuem formatos e complexidades diversas e aparecem em plantações de trigo e outras culturas.  

Os agroglifos começaram a se popularizar na década de 80 na Inglaterra e posteriormente houve aparição em outros países europeus.

O primeiro registro do fenômeno no Brasil ocorreu em 2008, no município catarinense de Ipuaçu e seguiu ocorrendo anualmente até o ano de 2018, em Santa Catarina e Paraná.

Círculos encontrados em plantação em Ipuaçu

Os estudos realizados até o momento sugerem que os agroglifos são criados por alguma inteligência extraterrestre avançada e com tecnologia que permite a construção destes desenhos em pouquíssimo período de tempo.

Em todos os registros de aparição do fenômeno no Brasil, ocorreram relatos de avistamento de óvnis e luzes estranhas no céu, dias antes ou na noite do surgimento das figuras.

Existem algumas teorias sobre a origem destas figuras, uma delas defende que estes desenhos seriam algum tipo de tentativa de comunicação com a humanidade. Outra teoria é que seriam sinais de navegação no solo para os óvnis.

Apesar da comunidade ufológica estar dividida sobre a veracidade do fenômeno e surgirem teorias de que os desenhos tenham sido criados por mãos humanas, utilizando-se de madeira e cordas, lembramos que o trigo estava dobrado e não quebrado, o que indica que não poderia ter sido utilizado a técnica de madeira e cordas para moldar a plantação.

Esta semana, surgiu um novo agroglifo em Entre Rios, no Oeste de Santa Catarina, o que chamou a atenção dos moradores da região.

Agroglifo em Entre Rios

O Grupo de Pesquisa Ufológica de Santa Catarina (GPUSC) deslocou um pesquisador para a região para obter mais informações e confirmar a veracidade do fenômeno. Outros ufólogos também interessados na aparição, estão visitando a região para atestar a veracidade do ocorrido.

Assim que tivemos maiores informações estaremos publicando aqui no site do Paraíso do Improviso e em nossos canais oficiais do GPUSC.

Comentários