Dando sequência à série de reportagem, hoje o papo é com os meninos do heavy metal

Fala galera! Resolvemos dar uma agitada na sua semana, dessa vez com uma pegada um pouco mais “pesada”, digamos assim. Por isso, hoje a entrevista é com a banda Metal ‘em Up!.

A banda teve origem a partir de um TCC da faculdade de música, no ano de 2018,  do guitarrista e fundador do projeto, Víctor Barbieri, onde ele juntou duas grandes paixões: o heavy metal e as trilhas de jogos e filmes. Depois de uma apresentação, o baixista Miguel Arthur dos Santos ficou conhecendo o projeto e acabou se juntando ao grupo. Atualmente a banda conta apenas com os dois integrantes, que dividem as tarefas de produção das músicas: o Miguel de Itapema, e o Vitor de Camboriú.

“Metalizamos as músicas”

A banda é voltada ao Heavy Metal, basicamente os integrantes transformam as músicas de jogos, filmes e seriados em uma versão mais pesada. “Inclusive foi daí que surgiu o nome do projeto ‘Metal ‘em Up!’. Quer dizer que “Metalizamos” as músicas. Ao mesmo tempo que criamos as versões das músicas, conseguimos colocar nosso lado criativo nos arranjos”, conta Miguel.

Em dois anos de formação, a banda já teve momentos marcantes. Um deles foi a participação de um grande tecladista, renomado mundialmente (que não pode ter o nome divulgado). O artista já gravou com lendas do rock, como por exemplo o Kiss, Dream Theater e Yngwie Malmsteen. A participação dele pode ser conferida na faixa ‘Bloody Tears’ aos 03:22min da música, que está disponível nas principais plataformas de streaming e também no canal oficial no YouTube do Projeto (Metal ‘em Up!). Confira:

Além da música

“Atualmente, trabalhar com música é uma grande realização pessoal, hoje vivo o que sonhava na adolescência. Geralmente o pessoal encara a música apenas como entretenimento, só que a verdade é que ela é uma ferramenta muito poderosa para a educação e para a transformação pessoal”, destaca Miguel.

É claro que nesse momento da pandemia a banda precisou se adaptar. “Tivemos uma grande tendência a migrar para o digital. Como os dois integrantes da banda também trabalham com aulas de música, esse caminho do digital acabou ficando um pouco mais forte. Muitas aulas estão sendo feitas por vídeo chamada e muito material de apoio está sendo gravado em vídeo para os alunos. O que acaba sendo legal, mesmo com todas as dificuldades, é possível continuar com as aulas e os alunos tem gostado bastante também”.

O fato de a banda já ter nascido nesse meio da distribuição digital facilitou um pouco o enfrentamento dessa fase que estamos vivendo, pois a pandemia acabou não afetando tanto o desenvolvimento das atividades. Cada integrante consegue fazer a sua parte de casa via internet!

Baixista Miguel produzindo de casa
Victor é fundador e guitarrista da banda

Vem novidade por aí

E olha, para quem espera novidades da banda, os meninos garantem que esse ano tem bastante coisa boa chegando. Além das novas músicas que estão sendo produzidas, a banda está procurando firmar parcerias com músicos locais para mostrar a riqueza musical da região.

“Agradecemos o espaço aqui e sabemos que estamos em um momento muito delicado para quem é músico. Aos companheiros de profissão, gostaria de pedir que mantenham a garra, estudando, procurando melhorar sempre nos seus estudos e tudo o que fazem, pois, se conseguirem fazer o mínimo que for nesse momento de dificuldade, a hora que isso passar e as coisas melhorarem, a tendência é que cada um de nós consiga resultados muito acima do esperado”, finaliza Miguel.

Comentários