Campanha Sinal Vermelho foi criada para denúncias de violência doméstica

Entre tantos reflexos causados pela pandemia do cornavírus, um deles é silencioso! O isolamento social, prática recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e praticada em vários países, aumentou o convívio doméstico. Infelizmente, isso fez com que os casos de violência doméstica aumentassem junto.

O domicílio de um casal é local em que ocorrem as violências, em suas variadas formas, porque nele se unem agressores e vítimas, diretas e indiretas, que se encontram impedidas, relativa ou totalmente, de acionar os canais de denúncia, principalmente os externos, que estão fora da suas residências. Pior, ainda estão impedidas de pedir ajuda e apoio às pessoas da sua relação de confiança.

E foi pensando em ajudar essas mulheres, que um grupo de trabalho criado pelo Conselho Nacional de Justiça idealizou uma campanha que tem por objetivo oferecer um canal silencioso de denúncia à vítima que, de seu domicílio, não consegue denunciar a violência sofrida: ao conseguir sair de casa, dirige-se a uma farmácia ou drogaria previamente cadastrada na campanha, onde um farmacêutico ou atendente treinado aciona a polícia, de acordo com protocolo preestabelecido. A escolha desse tipo de estabelecimento se deu porque permanecerá aberto mesmo em eventual caso rigoroso confinamento (lockdown) e fechamento do comércio.

Como funciona a campanha

  1. O sinal “X” feito com batom vermelho (ou qualquer outro material) na palma da mão ou em um pedaço de papel, o que for mais fácil, permitirá que o farmacêutico  ou o atendente das farmácias e drogarias previamente cadastradas reconheça que aquela mulher foi vítima de violência doméstica e, assim, promova o acionamento da Polícia Militar.
  2. O farmacêutico ou o atendente de farmácias e drogarias previamente cadastradas receberá uma cartilha e um tutorial em formato visual em que se explicam os fluxos que deverão seguir, com as orientações necessárias ao atendimento da vítima e ao acionamento da Polícia Militar, de acordo com protocolo preestabelecido.
  3. Quando a pessoa mostrar o “X”, o atendente, de forma reservada, usando os meios à sua disposição, registra o nome, o telefone e o endereço da suposta vítima, e liga para o 190 para acionar a Polícia Militar. Em seguida, se possível, conduz a vítima a um espaço reservado pela farmácia, que pode ser a sala de medicamentos ou o escritório, para aguardar a chegada da polícia. Se a vítima disser que não quer a polícia naquele momento, entenda. Após a saída dela, transmita as informações pelo telefone 190. Para a segurança de todos e o sucesso da operação, sigilo e discrição são muito importantes. O farmacêutico ou atendente não será chamado à delegacia para servir de testemunha. AS FARMÁCIAS PASSAM A SER MAIS UM LOCAL PARA QUE AS MULHERES BUSQUEM SOCORRO PARA SAIR DE UMA SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA. 
  4. Se houver flagrante, a Polícia Militar encaminhará a vítima e o agressor para a delegacia de polícia. Caso contrário, o fato será informado à delegacia de polícia por meio de sistema próprio para dar os encaminhamentos necessários – boletim de ocorrência e pedido de medida protetiva.

* Na entrada da farmácia haverá um post, uma mão com o X vermelho, a fim de identificar a loja como participante da campanha.

Nesse vídeo, a Desembargadora Salete Sommariva fala sobre a Campanha:

Farmácias que participam em SC

  1. AM Comércio de Medicamentos (Camboriú)
  2. Drogaria e Farmácia Tateline (Balneário Camboriú)
  3. Farma Sete (Blumenau)
  4. Farmácia Brasil Poupa Lar (Costeira – Florianópolis)
  5. Farmácia Gemballa (Rio do Sul)
  6. Farmácia Mais Popular (Itapema)
  7. Farmácia Oxford (São Bento do Sul)
  8. Farmárcia Qualifar (Balneário Camboriú)
  9. Farmácia Ritorna (Biguaçu)
  10. Farmácia Santa Catarina (Mafra)
  11. Farmácia Vera Cruz (Tubarão)
  12. Farmanova (Rio dos Cedros e Timbó)
  13. Kefarma (Lagoa – Florianópolis)
  14. R Plus Comércio Varejista (Porto União)
  15. Rede de farmárcias Droga Raia
  16. Rede de farmárcias Drogaria Catarinense
  17. Rede de farmácias Nissei
  18. Rede de farmácias Pague Menos
  19. Rede de farmácias Panvel
  20. Rede de farmácias Preço Popular
  21. Rede de farmácias Sesi Farma
  22. Rede de farmácias Usifarma
  23. SB Comercial de Medicamentos (Camboriú)
  24. Usifarma Capivari (Capivari de Baixo)

Como aderir à campanha

Qualquer farmácia ou drogaria pode participar da campanha. Para isso, deverá entrar em contato com a Cevid pelo e-mail cevid@tjsc.jus.br ou pelo telefone 3287-2636.

Comentários

Mulher: você não está sozinha

 
 
00:00 /
 
1X