Você já parou para pensar alguma vez no que as suas palavras significam para a outra pessoa?

Existe algo por detrás das palavras que fazem com que elas pareçam sinceras ou vazias: as emoções. Na verdade, essa é a primeira forma de comunicação que aprendemos quando bebês, antes mesmo da linguagem corporal e dos gestos. É por causa das emoções que um bebê interage com aqueles que estão ao redor.

Conforme o bebê cresce ele evolui a forma de se comunicar até chegar na fala e todo o arsenal não-verbal que usamos para nos comunicar e nos pronunciarmos perante ao mundo. Cada palavra que você conhece está ligada à uma emoção sua, por mais que você não consiga dizer qual (existem muitas emoção que não nomeamos em nosso idioma).

E não só as palavras, mas também a sua linguagem não-verbal. Aprender a transmitir as emoções nas suas palavras melhora a forma como você se expressa e, também, ajuda você no processo de autoconhecimento (afinal, você passa a dar significado para aquilo que sente). As pessoas com um vocabulário amplo conseguem se expressar de forma mais ampla sem precisar usar muitos gestos (ou com uso reduzido deles). Mas claro, nem tudo nós conseguiremos explicar. Existem muitas emoções que não têm uma palavra exata no nosso idioma.

Desbundar! Você sabe o que é isso?

O professor Tim Lomas, da Universidade do Leste de Londres, com a proposta de melhorar a nossa compreensão sobre as emoções, decidiu buscar em outras línguas ao redor do mundo, palavras que expressem emoções que nós sentimos, mas não conseguimos dar um nome específico para elas. Ele achou no português uma palavra chamada “desbundar”.

Você sabe o que significa? Desbundar é quando você se desinibe e vai se divertir sem medo. Você pode até não conhecer essa palavra, mas com certeza essa emoção e o sentimento que ela trás você sabe qual é.

Outra palavra que ele encontrou foi “Gigil”, no idioma Tagalo, falado nas Filipinas. Gigil é aquela vontade irresistível de beliscar ou apertar alguém muito querido ou amado. O Gigil pode ser facilmente observado quando alguém interage com um bebê ou com seu próprio pet (aquela vontade carinhosa de esmagar). Com certeza você também sabe como é isso, mas talvez nunca pensou que existisse um nome para esse sentimento.

O que importa de verdade é você saber que uma palavra pode trazer para a sua comunicação uma conexão maior com os interlocutores. Existem palavras que animam, palavras que magoam, palavras que te fazem rir, e assim por diante. Você pode despertar um monte de reações com as suas palavras. Existem momentos onde você precisa usar palavras com menos emoção, por exemplo na linguagem científica, que você tem que mostrar resultados, sejam eles quais forem. Porém, usar essa linguagem no seu dia a dia é praticamente tirar suas emoções e seus sentimentos das suas palavras e, claro, dificulta muito gerar empatia com os demais.

Um exemplo dessa dificuldade de se conectar com as pessoas aparece na série A Teoria de Big-Bang, onde um grupo de cientistas, altamente renomados e bem sucedidos, têm muita dificuldade em se relacionar com as pessoas e de falar sobre os sentimentos deles. Portanto, ampliar o seu vocabulário emocional é um excelente investimento para a sua comunicação e, porque não, para a sua vida também. Abaixo você encontra a Roda das Emoções, uma ferramenta que pode ajudar bastante tanto na organização do seu processo de aprendizagem.

Quais delas são novas para você?

Comentários