Um vírus tem se espalhado pelo Médio Vale. Mas calma, não é Coronavírus e nenhum outro tipo de doença, mas sim o vírus do humor. Aposto que você já deve ter ouvido falar do “jornal menos assistido da história de Indaial” – O Indavírus. Com quase um milhão de visualizações no Facebook em apenas um mês, o programa com abordagem de temas regionais e 100% humorístico, se transformou num canal de entretenimento para a população em meio à pandemia.  

Criado e produzido pelo jovem indaialense Gustavo Henrique Metzner, de 24 anos, o programa surgiu á poucas semanas, momento em que o tédio começou a bater na porta e uma ideia, mesmo que sem querer, começou a ser moldada.

Após algumas montagens de imagens no photoshop de como Indaial ficaria daqui a um ano pós-pandemia, o cenário apocalíptico das fotos se disseminou rápido pelas redes sociais e aí o primeiro programa surgia. “Não houve um planejamento inicial para o jornal, foi algo que aconteceu porque estava sem serviço em casa, e muito entendiado, então fiz essa montagem e pensei em criar uma maneira para distribuir as fotos e ganhar os devidos créditos”, completa Gustavo.

Centro de Indaial em um possível cenário apocalíptico feito por Gustavo

Dali em diante, o principal objetivo passou a ser: amenizar um pouco esse momento de tensão que vivemos hoje. “Quero levar alegria para o nosso povo”, afirmou.

O jovem, nascido e criado no bairro Rio Morte, atualmente trabalha como produtor de eventos, mas já se ariscou em outras profissões, inclusive no meio musical. “Já trabalhei de padeiro, pintor, em uma metalúrgica como comprador, facção, vendedor de suplementos animais, e também era cantor, eu sempre tive muita ligação com a arte. Já tive três duplas sertanejas mas faliu as três, então virei atualmente produtor de eventos, vendendo shows para casas noturnas”, contou.

O Programa

Hoje, 13 produções do jornal já foram ao ar e diversos quadros vem se consolidando a cada nova edição. A tradicional análise de comentários inusitados já é a marca registrada, bem como os Mistérios do Vale que vem trazendo uma pitada mística, peculiar e engraçada, sendo gravada em diversos municípios do Vale.

Gravações da série: “Mistérios do Vale”

E a última peripécia, que vem gerando grande repercussão, é sobre os integrantes de uma suposta Sociedade Secreta de Prefeitos do Vale, que revelaria as identidades ocultas dos líderes do Executivo. Gustavo usou de filmes de ficção para a criação dessas identidades secretas. O prefeito de Timbó, Jorge Krüger, por exemplo, virou o Tony Stark (Homem de Ferro).

Não podemos esquecer ainda da tradicional ligação aos telespectadores, que inclusive, até o prefeito de Indaial, André Moser, já entrou para a brincadeira e atendeu um telefonema de Gustavo. Os programas são lançados todas as quartas-feiras às 20h e aos sábados às 19h na página no Facebook Indavírus.

Gustavo destaca que o primeiro programa foi lançado com investimento zero e tudo foi gravado na garagem de casa com os recursos que possuía no momento, no improviso mesmo. “Agora com o crescimento estou começando a investir para obter cada vez mais qualidade”.

É ele que faz o âncora, roteiriza, dirige, edita e produz os vídeos. “Nas matérias externas um primo me ajuda na fotografia, meu câmeraman”, confessa.

Programas são gravados com celular com fundo chroma key

Originalidade

Quando perguntamos a Gustavo de onde vem tanta criatividade, ele relata que sempre teve esse lado, mas nunca teve coragem de expor para as pessoas. “As ideias vem na cabeça e eu executo. Coisas simples são as que mais me atraem”.

Quanto à sua inspiração humorística, ele garante que não tem nenhuma referência de humor atual na internet, mas seus grandes ídolos são os personagens Chapolin Colorado (Chespirito) e o Mr. Bean (Rowan Atkinson). “Meu trabalho é extremamente regional e o Gustavo do jornal é o mesmo Gustavo da vida real. Então não é algo pensado, com referências”.

Além de uma ideia original, o sotaque puxada para o alemão é outra marca registrada de Gustavo e afirma que essa é a maneira que ele fala na vida real mesmo. “O meu sotaque é meu, nada no programa é inventado ou forçado, somente os óculos que são cenográficos, o resto é o mesmo Gustavo do dia a dia”.

Popularidade

“É muito gratificante, um sentimento ainda novo pra mim, eu chego a chorar quando recebo vídeos de famílias inteiras ao redor de uma TV assistindo aos meus vídeos, principalmente os idosos que eu tanto amo”, disse Gustavo quando questionado como está sendo seu reconhecimento na cidade e região.

Ele ainda completa mencionando que isso vem acontecendo nas últimas duas semanas, que até pessoas já pediram para tirar fotos em lugares onde estava realizando gravações. Tudo isso tomando os devidos cuidados devido a quarentena”.

Sobre os planos para o futuro, Gustavo adianta que seu público poderá esperar muitas surpresas a cada novo vídeo e suas perspectivas vão muito além de produções para a web. ” Planos para o futuro ainda são incertos, já recebi muitas propostas para levar o programa para outras páginas, e inclusive TV, mas penso que ainda não é o momento. Quando passar a quarentena e estivermos bem eu devo sair da internet e levar o jornal também para os teatros de nossa região”, finaliza.

Comentários