Conversar com os filhos pequenos sobre a condição atual em que estamos vivendo é um grande desafio. Diante das mudanças de rotina e do isolamento social, deixar de conversar sobre o assunto com as crianças não é uma boa opção. As crianças entendem que algo está acontecendo e elas precisarão de suporte dos pais ou responsáveis para atravessar esse período de forma menos angustiante possível. Como explicar o que está acontecendo sem gerar mais ansiedade e medo?

Antes de tudo, é importante que os pais estejam tranquilos e seguros sobre a situação antes de conversar com os filhos (e isso vale para qualquer situação). Se a criança precisa de orientação e de uma rotina, o adulto responsável precisa estar organizado (mentalmente também) nesse sentido. É adequado que o adulto conheça suas angústias, o quanto as mudanças estão lhe afetando e como lida com isso, para poder dar o suporte necessário e transmitir segurança pra criança. Então vamos as dicas:

  • Evite falar sobre números de casos, de dados estatísticos, de pessoas infectadas pelo coronavírus no mundo. Excesso de informação faz mal, e não somente para as crianças!
  • Fale sobre o vírus, mas aproveite também para promover saúde e higiene. Um exemplo: ao explicar sobre o coronavírus, coloque um pouco de cola glitter nas mãos e suponha que o vírus é o “brilho”. Ao encostar na mesa e na parede, a criança percebe que o “vírus” fica onde é tocado e assim, aproveite para ensinar a lavar as mãos de forma divertida e descontraída.
  • Outra dica de promoção de saúde é o incentivo de consumo de legumes e frutas, afirmando que precisamos manter nosso corpo saudável e forte para não ficarmos doentes.
  • Tire as dúvidas das crianças após falar sobre o assunto conforme elas forem surgindo. Entenda o nível de conhecimento da criança sobre o assunto. Devolva a pergunta: “o que você sabe sobre isso?” e converse a partir do que surgir, do que há dúvidas. Se não for o intuito de promover saúde e ensinar algo, não há necessidade de deixá-los com preocupações excessivas.
  • Sobre a rotina: mantenha um horário fixo para acordar, um horário estabelecido para os estudos (lembre-os que não são férias), horários para almoço, etc. Explore opções para treinar a escrita, interpretação de textos e atividades desenvolvidas de acordo com o nível de escolaridade da criança.
  • Faça também ligações e vídeo chamadas com a família. Manter a família unida mesmo que com ferramentas online, ajuda a diminuir a ansiedade da separação.
  • Aos pais que estão trabalhando em casa: de acordo com o nível de autonomia da criança, dá pra encontrar formas lúdicas de manter as crianças entretidas por um período. Claro que por vezes, é necessário supervisionar a criança e dar um suporte.
  • Outra dica para os pais? Não se cobrem tanto. Com a rotina de casa, homeoffice e crianças cheias de energia, é impossível dar conta de tudo sempre e ficar saudável com isso.

Sejam mais flexíveis e se permitam quebrar algumas regras da rotina. Enfim, reorganizem as coisas dentro do possível quando a pandemia passar. Vai ficar tudo bem! Cuida da tua saúde mental.

Whatsapp da Paola para tirar dúvidas ou agendar consultas: (55) 991364009

Comentários