Sabemos que o novo coronavírus está impactando drasticamente o mundo, tanto economicamente quanto culturalmente. Vários setores estão sendo abalados. Desde que sua disseminação aumentou, em fevereiro, várias medidas foram tomadas não só na China, mas na maioria dos países. Na Itália, os primeiros casos surgiram enquanto acontecia a tradicional Semana de Moda, em Milão. Imediatamente, grandes marcas já começaram a adotar ações para diminuir o fluxo de pessoas nos desfiles. Com o agravamento da situação de maneira rápida, muitos eventos de moda estão sendo cancelados. Aqui no Brasil o SPFW (N49), previsto para o final de abril, foi cancelado e será replanejado.

O estilista Giorgio Armani decidiu apresentar sua coleção de inverno pela internet, completamente sem plateia. Ele fez a transmissão ao vivo pelas suas redes sociais e também pelo seu site, apenas com as modelos e com o mínimo possível de colaboradores presentes. Assim como também fez a marca brasileira de Alexandre Herchcovitch e Fábio Sousa, À la garconne, que no dia 14 de março apresentou sua coleção pela internet com as modelos em uma sala vazia. Novos formatos de apresentação de coleções e também de vendas serão exploradas em época de pandemia, assim como a própria moda.

No momento muitas marcas estão focadas na solidariedade. Yves Saint Laurent e Balenciaga vão fabricar máscaras para proteção contra o novo coronavírus para distribuir ao sistema de saúde na França.  O Grupo LVMH, deixou de produzir perfumes esta semana para focar no álcool em gel. Em Milão, a Prada doou seis UTIs para três hospitais.

Kering, grupo dono de empresas como Gucci, Saint Lauren e Alexander McQueen, doou US$ 1 milhão à Sociedade da Cruz Vermelha da China.

As medidas para combater o vírus estão sendo adotadas em todos os lugares, assim como doações e boas ações estão surgindo. Vamos fazer nossa parte e vencer esse desafio.

Comentários