A vida é engraçada, né? Na verdade sempre desejamos aos outros, principalmente aos nossos familiares uma vida bem-sucedida e feliz. Porém no nosso dia a dia, acabamos vivendo, sentindo e tendo inúmeras experiências: positivas e negativas.

Na minha vida, acredito que sempre foi assim. Acredito porque sempre senti o desejo, principalmente dos meus pais de eu ser alguém sucedida e feliz. Infelizmente por um período de minha existência, e não foi pouco, não me sentia tão feliz assim.

Tive um relacionamento amoroso, nada legal. É claro que no começo tudo são flores! Mas nesse caso específico, sempre foi abusivo, pois eu precisava pensar da forma que ele acreditava ser o correto, ir a lugares que ele gostava, andar e conversar com as pessoas que ele julgava como boa companhia.

 No começo foi apenas imposição, grosserias e falta de sutileza talvez. Não sei seu eu era cega, surda ou me fazia de desentendida. Sei que a relação chegou a um ponto que: ou eu fazia o que ele queria, ou o barraco estava armado. E aos poucos os barracos foram aumentando e as agressões deixaram de ser verbais e se tornaram físicas.

Foram momentos horríveis, não pela agressão em si, mas como eu me sentia enquanto ser humano ali naquele momento. O medo, a vergonha e a insegurança foram meus guias e por inúmeras vezes, cheguei a pensar que a vida não teria mais sentido e nem valia à pena ser vivida. Este foi meu maior fundo do poço.

Foi o maior e o melhor fundo do poço, que eu poderia ter vivido. Como assim melhor? Melhor! Pois foi exatamente neste fundo do poço que aprendi a valorizar as pessoas que estavam ao meu redor: a minha família. Neste momento conheci minhas amizades verdadeiras, as quais permaneceram comigo num momento de dor e estão juntas a mim até hoje.

Foi através do meu fundo do poço que eu descobri que eu posso mais, mereço mais e que sou amada por muitas pessoas. Por algum tempo permiti ter uma vida medíocre. Mas quando cheguei ao fundo do poço e lá encontrei meus familiares e amigos percebi que sempre temos a oportunidade de mudar e dar um novo rumo as nossas vidas.

Pois bem, foi uma mudança desafiadora de muitos altos e baixos e com os sentimentos e emoções sempre numa montanha russa. Hoje, posso afirmar com toda a certeza, que depois de muita dor, muitos sentimentos ruins eu consegui superar tudo.

Eu posso voltar ao passado e fazer diferente? Absolutamente não! Posso ficar arrastando corrente o resto de minha vida? Se for minha escolha, é claro que sim. Porém o meu fundo do poço me ensinou o que é gratidão, respeito, empatia e acima de tudo o que é ressignificação. Hoje quando olho pra trás, não sinto mais o que eu sentia, somente percebo o quanto cresci e evolui como ser humano, o quanto tudo isso me tornou uma mulher com mais garra, fibra e força de vontade.

E você, quais dores mortais talvez esteja te incomodando? Que tal transformar essa dor em lição, aprendizado e evolução? Na próxima coluna estarei trabalhando sobre os 7 passos para o caminho da ressignificação de acontecimentos! Não perca!

Com carinho,

Ana Caroline

Comentários